25.6.10

Analise Crítica do filme “O Diabo Veste Prada”

RESUMO
O trabalho consiste, basicamente, em analisar criticamente a obra cinematográfica norte-americana “The Devil Wears Prada”. O filme se trata de uma comédia romântica e retrata os sacrifícios, que alguns recém-formados em jornalismo, devem passar para exercer a profissão. No corpus de pesquisa estarão as ideologias e utopias da profissão apresentadas no filme, as características ideológicas e utópicas das personagens principais, reflexões sobre o poder das editorias de moda no mundo, a valorização do consumo dessas editorias e do filme e o discurso sedutor pelo luxo e glamuor. Como fonte de pesquisa, usamos bibliografias e pesquisas na internet, além de ter como principal base o filme e a obra escrita.

PALAVRAS-CHAVE: Ideologias e utopias do profissional de jornalismo; discurso sedutor da moda; forma de ver o profissional de jornalismo;

DADOS DO FILME
O filme foi baseado no livro “The Devil Wears Prada” de Lauren Weisberger, de 2003. Para o português o título se manteve como “O Diabo Veste Prada”. Não é por acaso que o nome da obra cinematográfica se espelhou no título do livro.
Em 2006 o filme estreou nas telas dos cinemas contanto em 110 minutos a aventura da jovem jornalista, Andréa Sanchs, Andy, (Anne Hathaway), e da lendária editora-chefe da Runway, Miranda Priestly (Maryl Streep). O elenco também contou, além das protagonistas Anne Hathaway e Maryl Streep, com Emily Blunt (Emily), Adrian Grenier (Nate), Simon Baker (Christian Thompson), Daniel Sunjata (James Holt), Gisele Bündchen (Serena), Tracie Thoms (Lilly), Jaclynn Tiffany Brown (Stephen), entre outros. O roteiro é de Aline Brosh McKenna, figurino de Patrícia Field e direção, David Frankel.
A comédia romântica recebeu duas indicações ao Oscar, nas categorias de melhor atriz (Meryl Streep) e figurino. Ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz de musical ou comédia (Meryl Streep), além de ter sido indicado nas categorias de melhor filme de comédia ou musical e melhor atriz coadjuvante (Emily Blunt). Recebeu 5 indicações ao The British Academy of Film and Television Arts (BAFTA), nas categorias de melhor atriz (Meryl Streep), melhor atriz coadjuvante (Emily Blunt), melhor roteiro adaptado, melhor figurino e melhor maquiagem.

RESUMO DA HISTÓRIA DO FILME
O roteiro adaptado do livro conta a aventura de Andréa “Andy” Sachs (Anne Hathaway), recém-formada em Jornalismo pela universidade Northwest, que saiu da sua cidade natal para Nova York a fim de conseguir um emprego. Depois de enviar diversos currículos para várias empresas de comunicação, ela consegue uma entrevista no grupo Elias Clarke, onde foi encaminhada pelo recursos humanos para a revista Runway, para o cargo de segunda secretária de Miranda Priestly. Na entrevista com Miranda ela mostra ser uma boa profissional com bons artigos produzidos e publicados quando ainda era universitária, garantindo prêmios de melhor reportagem na universidade.
No entanto, sueu emprego seria de segunda assistente da poderosa editora Miranda Priestly (Maryl Streep), da principal revista de moda de Nova York. Apesar da ocupação nada ter a ver com a sua formação, trabalhar com Miranda no mundo da moda, garantiria um emprego em qualquer lugar. Afinal, “milhões de garotas se matariam por esse emprego”.
Para Andy, marcas como Gucci, Prada, Armani, e Versase, faziam parte de um mundo distante do seu, não só pelos preços, mas também por questões de interesses e de personalidade. Porém, ao ser contratada passou a ser motivo de “chacota” entre seus colegas de trabalho. Com ordens praticamente impossíveis e com tratamentos gélidos de Miranda, Andréa tenta chamar a atenção de todos na revista. Cansada de ser julgada por não ter preocupação com a moda, recorre ao produtor de moda da revista, Nigel (Stanley Tucci), para conseguir melhorar o seu visual.
A mudança no visual e nas atitudes faz com que Miranda a promovesse e a queira na maior semana da Moda de Paris, sendo essa viagem tudo ou nada na vida de Emily (Emily Blunt), a outra assistente de Miranda. A mensagem sedutora deu motivos para que a personagem buscasse a individualidade e a necessidade do reconhecimento em alguns grupos sociais importantes.
Miranda coloca em cheque a ingenuidade de Andy. Abalada por reconhecer que realmente virou uma garota superficial, dedicada somente para a aparência, Andy desiste de ser assistente de Miranda. Na cena, Andy sai do carro e joga seu celular em um chafariz, “assinando” a demissão. Na volta à Nova York, Andy consegue uma entrevista no jornal New Yorker. O editor chefe ao ver seu currículo liga imediatamente para Runway para pedir uma carta de recomendação. Miranda pessoalmente escreve a carta dizendo que Andy foi a pior assistente que ela já teve e que seria burrice do editor se recusar a contratá-la. Andy fica surpresa e garante seu emprego como repórter do New Yorker. Enfim, ela consegue trabalhar num veículo no qual ela pode desempenhar o que sempre desejou: jornalismo.

Contextualização
A sedução é um fator determinante no filme. O tempo todo é salientado a importância da editora para o mercado de moda e a frase: “um milhão de garotas dariam a vida para estar em seu lugar”, contextualiza a realidade modista. Miranda é tida como uma pessoa referência onde muitos gostariam de presenciar e estar naquele lugar, trabalhando ao seu lado, independente dos sacrifícios. Estilistas renomados e marcas conhecidas são destaques na história. Sacolas, bolsas, telefones, canetas, e casacos são apresentados de maneira escancarada com objetivo de seduzir a personagem e, por que não, o público. Falar desse discurso sedutor sem o glamour é praticamente impossível.
O glamour contido nesse texto leva o sujeito a sonhar e desejar um determinado produto, mesmo que isso esteja longe de sua realidade. A moda ganhou contornos ainda mais sedutores com a publicidade. Anúncios em revistas, jornais, outdoors cada vez mais requintados, retratam as mulheres com formas perfeitas. Na televisão, os desfiles de moda e as novelas lançam tendências e celebridades. Enfim, a mídia é uma arma de grande poder neste mundo, sendo ela quem comunica, quem anuncia e quem leva as necessidades ao receptor, o que gera o consumo exacerbado da população receptora destas mensagens.
Destacamos o início do filme que mostra os detalhes das roupas das meninas que sonham com o emprego na Runway, lingeries com rendas, sapatos vernizados, cabelos impecáveis, onde tudo isso é comparado ao estilo de Andréa. A obra mostra festas maravilhosas, frisantes, canapés de salmão, limousines, cabelos e maquiagens esplendidas, pessoas belas, glamour, muito glamour com o intuito de encantar não só a personagem Andy, mas aos que assistem ao filme também.
Afinal, o filme trata-se de uma comédia romântica, gênero cinematográfico voltado para o público feminino. A sedução é o discurso perfeito para esse tipo seguimento cultural que se destaca tanto no filme, como na realidade. Cabe fazer um parâmetro da obra com o mercado financeiro, onde pesquisas apontam o crescimento acelerado da indústria de luxo em países do mundo todo, principalmente em Nova York, cidade palco da história. A mídia tem grande participação na moda, já que eventos como a Semana da Moda de Paris ou até mesmo aqui no Brasil como a ”São Paulo Fashion Week” e o “Rio Fashion Week” são divulgados com grande ênfase pela televisão, revistas e editoriais.
A primeira assistente de Miranda, Emily é seduzida e encantada pela moda. Logo no começo da comédia seu personagem faz referência sobre mulher ideal. Aquela mulher superficial, preocupada com a beleza (alimentação) e moda. Para Emily e “todas as milhões de meninas que se matariam por esse emprego”, Paris era tudo. Roupas, sapatos, festas, pessoas famosas e lindas. “Olha aqui, você deve fazer tudo corretamente, nada pode atrapalhar a minha viagem a Paris”, fala Emily para Andy, quando acreditava que seriaela a recrutada para ir à Paris.
“O Diabo Veste Prada” traz a participação da imprensa como exemplo de poder e influência. Quando há diversas câmeras sobre Miranda, os flashes nas grandes festas e nos desfiles. A questão do poder é constante no mercado da moda, pois o valor empregado na marca torna o usuário poderoso, um modelo a ser seguido.
A moda desperta no indivíduo o encanto, a necessidade de sonhar, de consumir, o que o faz ignorar completamente a retórica do apocalipse que é apresentada pela Indústria Cultural como uma arma que tira a capacidade do indivíduo de pensar e de agir, ou seja, a idéia da Indústria Cultural é ultrapassada, já que o sujeito tem a liberdade de escolha.

O CONSUMO NO FILME
A supervalorização do consumo pode ser indagada na comédia sobre várias visões, sendo a primeira quando Andréa nega importar-se com roupas, estilistas, marcas, porém existe uma “cartada” surpreendente na cena em que Miranda discute a indecisão por dois cintos para uma composição de roupas e Andy sorri com ar de que aquela era uma discussão desnecessária, já que os cintos eram praticamente iguais.
Neste momento, Miranda faz um discurso que seria uma resposta aos críticos que defendem a moda como manipuladora, ela alega que, mesmo os que dizem ser como Andy que não se envolvem e que não se importam com a moda, são vítimas dela quando compram um simples casaco na promoção. “Essa coisa, determinou a cor do seu suéter que provavelmente você comprou em uma liquidação de ponta de estoque”, diz a personagem Miranda.
O desprezo e as sátiras dos colegas de trabalho de Andréa também podem ser analisados como supervalorização pelo consumo, para eles as roupas dela eram sem estilo, esquisitas e sem valor. Sem mensurar o olhar de desprezo que Miranda dá sobre Andréa no início do filme, o que enfatiza sua falta de gosto, seu sobrepeso e seu descaso com a moda.

O “querer ser fashion”:
É sensível a percepção sobre o desejo de querer ser fashion que o filme apresenta. Por ser baseado no consumo, na moda e na estética ditatorial, o filme usa Andy para mostrar o desejo de inclusão num mundo estabelecidamente fashion e bacana. Esta representação do fashion, do seguro, do concreto é a revista Runway e todos que nela trabalham. A jovem moçinha por galgar postos mais altos e melhores, muda o visual e a aparência para ser alguém que ela julga mais moderno e influente. Afinal, ela percebe influência e referência em Miranda, projeta nela uma faceta que ela gostaria de ter: beleza, reconhecimento e atitude.
O filme mais uma vez retrata a realidade: pessoas mudando jeito, costumes e aparência porque querem ser fashion. Alguns contraindo dívidas, usando algo que não parece tão interessante, mas está na moda e assim sendo algo que não são; mas este comportamento salienta e fortifica a questão do consumismo e da vida de aparências, pois quanto mais pessoas repetindo comportamentos como o uso de marcas iguais, mais aquela marca será fortalecida e influente. Exemplo: quanto mais pessoas comprarem óculos Prada ao invés de Gucci, mais os óculos da Prada serão usados, reconhecidos e vendidos.
O filme trabalha a projeção do querer ser belo e faz no espectador uma espécie de publicidade para marcas famosas. O ambiente (Nova York) o clima chique de inverno, as personagens belas e atuais inspiram a platéia a quererem viver isto, mesmo que num lugar bem diferente de New York, elas poderão experimentar a sensação se inclusão, beleza e referência.
A mudança de Andy salienta o narcisismo ao corpo e a visão distorcida do “eu”. A necessidade de estar sempre magra, com cabelos, roupas e acessórios consagrados por estilistas e marcas renomadas coroou a supervalorização do corpo.
Em uma discussão com o namorado, Andréa alega “Sou a mesma pessoa de antes, mas com roupas melhores”. O “eu” é trazido na comédia de maneira muito sucinta, cabendo ao receptor deduzir o que é magnífico e o que é terrível no mundo da moda. Sendo o jogo de interesse uma pedra muito importante nesse discurso, já que para destacar-se e sobressair-se, é necessário muitas vezes se esquecer da vida pessoal e até mesmo de seus colegas de trabalho. “Quando sua vida pessoal virar fumaça, você será promovida”, diz o produtor de moda da Runway, Nigel, à Andréa.
No filme, Miranda mostra à Andy como a vontade de ser inclusa e atual já tomou conta dela quando diz: “A verdade é que ninguém poderia fazer o que eu faço”, e Andy responde: “Eu não acho que sou assim”. Miranda contra-ataca “Todos querem isso, todos querem ser assim. Você escolheu vir a Paris”, ou seja, todos querem isso e você já foi sucumbida por este universo, a fim de também ser fashion e inclusa.

O PODER DA RUNWAY E DE MIRANDA
Em “O Diabo Veste Prada” há uma vertente importante nos discursos da moda: o poder que é representado no filme pela personagem de Maryl Streep, rendeu ótimas críticas e indicações a prêmios no cinema. “Miranda é uma ‘lenda’ na moda, não há quem não a conheça por aqui”. Ar de superioridade e até grande arrogância fazem parte da personagem. Os casacos e bolsas de grandes grifes fizeram suas composições, desenhadas por grandes nomes da moda.
O olhar de Miranda demonstrou na obra a importância que ela dava ao poder e também como ela era “grande” perante a insignificância das outras pessoas. O medo que os personagens tinham dela foi enfatizado até mesmo por grandes estilistas na comédia, eles queriam agradar, serem reconhecidos e aprovados pela profissional, ressaltando a questão do poder que gera prestígio e destaque. “A opinião de Miranda é a única que importa”.
Foi o que Andy buscou com sua transformação: para ser reconhecida por aquele grupo e principalmente por sua chefe. “Eu achei que você seria diferente, por isso, contratei essa garota esperta e gorda, mas você é igual a todas”. Essa afirmação de Miranda marca a mudança de Andréa.

O JORNALISMO DE UMA FORMA DIFERENTE
Se diferenciando da forma como a maioria dos outros filmes apresentam a profissão de jornalista, “O Diabo Veste Prada” anuncia um novo modelo de jornalista. Ele não é o investigador, o Sherlock Holmes da trama. Tão pouco é aquele que escreve matérias alucinadamente e tem uma responsabilidade para com o público e chefe. Andy, a jovem jornalista, tem no filme a responsabilidade de servir corretamente sua chefe, mas não deve explicações à sociedade como a maioria dos profissionais da comunicação. O que ela faz demanda atenção e agilidade, mas não inteligência, conhecimentos gerais, nem estudos sobre política, cultura e etc. Esta face é a face do jornalista como um profissional sem grandes necessidades de aptidões especiais, como retrata a maioria dos outros filmes analisados.
No caso de Miranda, a experiente jornalista, o lado administrador do jornalista é explorado. Nada ou pouquíssimo se viu sobre esta face em outros filmes analisados durante as aulas. Neste, no entanto, o lado administrador, objetivo, “sacador” e pró-ativo do jornalista é mostrado. Ele sai de trás de uma mesa bagunçada com um café preto e maços de cigarro, devendo explicações ao editor chefe, para ir pra trás da principal bancada do veículo, para ser o que administra que edita que escolhe que faz contatos, e que tem como foco o lucro profissional. Aliás, isto é bem claro no filme: a necessidade de venda da revista, de venda das marcas anunciantes; o que nos outros filmes não é visto.
O jornalista por ser sempre empregado não teme a pouca venda de jornal ou o fracasso de anunciantes. Sua única preocupação é não publicar injúrias e erros para não ser demitido e perder credibilidade. A realidade do financeiro ditando comportamentos é trazida a cena de forma lúdica, mas nem por isso menos realista ou verdadeira. O jornalista de hoje precisa sim produzir pra vender, pra agradar leitores, ouvintes, internautas e seja quem for seu público. Não há mais espaço para matérias longas que tirem espaço do anunciante, não há tempo pra se dar ao luxo de escrever o que se gosta e se prefere. A publicidade dita o espaço para se fazer jornalismo. O mercado atual impõe conceitos e necessidades, cabe a qualquer profissional ajustar-se da melhor forma possível dentro deste caldeirão.

O JORNALISTA NO FILME
O profissional é ilustrado como um indivíduo estressado pelo excesso de informações com as quais lida. Não tem seu esforço, conhecimento técnico e teórico reconhecido, e é tido como um ser fácil de ser manipulado. Por excesso de trabalho – conforme mostra o filme – que muito pouco tem a ver com sua formação como profissional, ele dificilmente se desconecta por completo das funções trabalhistas, e abre mão de uma vida pessoal por uma vida profissional, o que faz o filme retratá-lo como um ser não realizado pessoalmente, insensível e inconsequente, que está disposto a passar por cima dos valores supremos (como o amor e a amizade) e até colegas de profissão para ser reconhecido e beneficiado.
A trama o desenha como um profissional deslumbrado, e por vezes promíscuo, uma vez que se encanta com o mundo de glamour, reconhecimento e oportunidades ímpares e é capaz de largar os já citados valores supremos para viver este mundo do “shownalismo”. Também é ilustrado como um profissional ambíguo e fraco. Ele é humilhado moralmente por um poder maior, e sacrifica suas ações pessoais em prol do que sua profissão o exige. Mostra-o como um ser dúbio: Quando inocente, não cobiçoso e desatento ao interesse mercantil, o profissional é um coitado, um pobre trabalhador humilhado em busca de realização e reconhecimento constante; Mas quando ambicioso e astuto, é tratado como insensível, materialista e sem identidade, uma vez que Andy, antes simplória e modesta, se adéqua ao universo que vive (o mundo absorvedor da moda) querendo mais tarde, quando já não vê outra saída, destacar-se sendo bela e elegante, popular e reconhecida.
O lado “negro” da ambiguidade ganha destaque durante praticamente toda a trama. O jornalista não é firme nos propósitos éticos que guiam um profissional da notícia. É manipulado e ambicioso em demasia, quando esquece que deveria representar o verdadeiro e correto, mas deixa-se guiar pelo mundano e profano. Sua saga inescrupulosa só termina quando no final do filme as coisas se invertem. Ilustra um ser vulnerável que tinha seu trabalho e suas decisões totalmente afetadas pelas pressões do mercado. Presumi-se assim, que o filme o julga infantil, quando tudo que ocorreu com ele, foi resultado de inexperiência e medo, e não mais de cobiça.
O filme usa a imagem do jovem jornalista (que neste caso é uma jovem garota) como uma nova aposta no futuro, uma vez que confronta o velho (personagem de Meryl Streep). A jovem é uma aposta para um futuro melhor, mais ético e menos inescrupuloso. Faz dela, a crença na mudança de rumo e diretrizes para a profissão de jornalista.

A MOCINHA
A personagem é retratada como um ser dúbio, ambíguo. No início do filme é vista como uma pessoa com personalidade, anseios e objetivos. Uma boa garota, determinada e não realizada profissionalmente, o que a torna um pouco infeliz. A personagem é ingênua, destemida e ambiciosa. Ela desconhece “os demônios” atrás das relações de poder e, portanto é a surpreendida e sofredora do filme.
Ela é angustiada – por desconhecer as coisas – e ansiosa. Ao desenrolar da trama ela vai sendo ilustrada como uma moça mais convicta, menos temerosa e mais ambiciosa. Quando conhece as leis que impera na Runway ela se adéqua para permanecer no emprego e “joga o jogo” da Revista. Por isso mais uma vez ela passa de menina com personalidade para menina descaracterizada e sem convicções pessoais, ou seja, sem personalidade.
Ela inicia o filme com uma boa imagem (menina original e determinada), segue com uma má imagem (deixa aos poucos a ambição mudar ela mesma e sua vida) e termina novamente com uma ótima imagem, pois viveu o inferno, gozou de muitas regalias, mas abandonou tudo isso em prol de sua vida, de seus amigos e seu companheiro. Não deixou o capitalismo e a imagem continuar a tomar conta de si. Então é novamente retratada como um ser supremo, angelical e muito original, quando foi capaz de abandonar o “tudo” que tinha, pelo “pouco” que sua vida pacata oferecia. Ela se sente assim, como um ser elevado, soberbo e realizado novamente.

Conflito: Pessoa versus Profissional
Andy e de Miranda esquecem-se de si durante toda a trajetória fílmica. A identidade peculiar, os hábitos rotineiros e os antigos afazeres (no caso de Andy) são totalmente desfeitos. O modo de se vestir, de se portar, de falar e até os gostos e lugares frequentados compõe a máscara que ambas protagonistas usam. O mundo essencialmente baseado na estética visual as obriga a ser algo que não são.
Miranda é frágil e tem muitas inseguranças e medos pessoais, mas a forma como decide se comportar, ou seja, o que a outra Miranda decide ser, mostra um ser forte e convicto, pleno de seu poder e influência. Já Andy usa veste a carapuça para se mostrar apta para o que faz e competente; mostra que além de saber adequar-se ao meio, “veste a camisa” da profissão e mostra-se um ser que não mede esforços pra transparecer.
O conflito mora também no fato de que fatores que se exigem da profissão como agilidade, dinamismo, e disposição integral, exigem do personagem que ele viva muito mais para a profissão do que para si mesmo, mesmo quando não está em horário de trabalho. Estes fatores citados fazem o personagem não mais viver como pessoa e sim como “pessoa profissional” apenas. Isso demonstra o conflito pessoal moderno de conciliação entre profissão e vida pessoal. Faz uma alusão zombadora do que muitos profissionais passam, vestindo máscaras diárias e pouco conseguindo – ou podendo – se desligar por completo do seu emprego.


SIMBOLOGIA
Para ilustrar a mudança e os lados díspares do jornalista, o filme utiliza recursos de produção para passar a seguinte ideia: “este profissional é o mau, este é o bom”. A jovem garota quando simplória e não ambiciosa usa roupas deselegantes e mal combinadas, mas quando começa a ser audaciosa, muda de estilo, de jeito, anda de cabeça empinada, com roupas belas e saltos altos. Ao final quando o filme retoma o conceito de moça certa, ela volta com suas velhas roupas e trejeitos, sendo novamente uma pessoa íntegra e correta que não valoriza a beleza montada e superficial.
Para simbolizar a supremacia e soberba de Miranda Priestly, a personagem anda sempre muito alinhada, com roupas de marcas caras, maquiagens e cabelos elegantes. Ela jamais é vista pelos seus subordinados e demais sem estar com aparência impecável, o que serve para representar seu medo de ser “desmontada” e sua valorização extrema pela beleza e glamour. Quando o filme resolve mostrá-la frágil e “humana”, ela é desnuda de maquiagens e roupas, pondo-a com um pijama branco, cabelos presos e sem o mínimo de make-up, fazendo-a frágil, vulnerável e sensível aos problemas mundanos que acometem a todos os mortais.
Para simbolizar o poder de Miranda, além de seu visual, sua casa enorme é mostrada, seu carro com motorista e seu escritório luxuoso. Seus súditos a seguem desesperados e confusos enquanto ela emana ordens rápidas e objetivas sempre de rosto empinado. Isto, retratado com a câmera sempre seguindo seus passos, mostra a rispidez e soberania da personagem.
Para simbolizar a simplicidade de Andy o filme mostra seus amigos em um barzinho, sua casa humilde, seu café da manhã, suas roupas banais e seu rosto angelical. Uma das cenas mais simbólicas esteticamente é quando ao final, Miranda tira os óculos e olha pra Andy sem eles, o que mostra uma cumplicidade, carinho e “rendição” pela moça; mas logo os põe novamente e entra no carro, o que passa a sensação de que apesar do momento de entrega afetiva, ela sempre será esta Miranda soberba e convicta do seu poder.
Andy enquanto isso caminha agora com as mãos no bolso do casaco, o que representa tranquilidade de despreocupação. Ao longo do filme ela jamais andara com as mãos no bolso, esteve sempre no celular, ou procurando objetos na bolsa ou chamando um táxi para atender Miranda.

IDEOLOGIA
O filme usa uma ideologia muito interessante e mutável. Durante praticamente toda a trama ele passa ao telespectador um conjunto de ideias muito similares e complementares entre si. Mas no fim, quando elas já passaram seu recado, a trama passa um novo e esperado conjunto de ideias, que busca dar a velha e sem graça “lição de moral”.
Estas ideias funcionam como estereótipos que se tem da profissão de jornalista e de suas atitudes. Pensa-se que ora ele é a caça, ora ele é o caçador. E baseado nisso, constrói um jogo de lições, aspirações e impressões da realidade deste profissional e seu meio. Passa o estereótipo de profissional que geralmente não trabalha de acordo com sua formação, que pouco usa sua criatividade, e que nada tem de poderoso diante de algumas situações; essas ideais são passadas através da jovem personagem.
Para identificar outro conjunto de ideias é preciso observar as mensagens escondidas na personagem da velha e “experiente” jornalista. “Experiente” porque sua experiência não é mostrada como fundamento de técnicas e teorias, e sim baseada no conceito de experiência mundana. O filme passa a ideia de que só com muito tempo e permanência no meio jornalístico, o profissional será reconhecido: a velha jornalista (Meryl Streep) tem uma vasta experiência e por isso seu jeito – por mais errado que esteja – é respeitado, ou seja, o velho profissional merece referências e respeito por sua trajetória.
A nova jornalista (Anne Hathaway) está presente para passar a ideologia de que um jovem profissional (por mais inexperiente que seja) é a aposta num novo futuro, melhor e menos inescrupuloso. A ideia é que sua coragem, sabedoria e caráter é o que todos profissionais deveriam ter e ser para chegar aonde se quer.
No fim, Andréa é recompensada com um emprego onde sempre quis, e volta a ser humilde e simplória. A velha jornalista representa o jornalismo de influências, de receio e respeito ao que já se está instituído. Representa a velha força que teve seu espaço e sempre terá, mas agora, na memória. A jovem representa a aposta num “novo” jornalismo, de ética pessoal antes de qualquer coisa, um jornalismo que vai valorizar a faculdade que se fez e não só quantos contatos e seguidores se têm.
Representa uma crença na perseverança e no conhecimento, e mostra que não mais se tem que render ao que já estava arraigado e sim inovar. A editora da famosa revista de moda crê que sua soberba a permite adquirir escravos e não profissionais, o que mais uma vez puxa para a ideologia que o velho está defasado e não mais sabe manipular e conviver num mundo moderno, onde o profissional deve ser valorizado e respeitado. A jovem portanto, é a aposta num jornalismo mais corajoso, mais escrupuloso e menos manipulável. Os conceitos do novo se sobrepõem ao do velho.
Mas apesar desta visão moderna, o filme mostra que ainda há espaço para profissionais marcados pela experiência do tempo, e que estes merecem consideração por sua experiência de vida e de carreira, é uma espécie de “in memorian”. O filme idealiza que um bom profissional é aquele que batalha por um sonho e não por uma sobrevivência, é aquele que não se acanha pelos seus desejos e luta por eles de forma correta e ética, mesmo que seja difícil ou mais demorado.

UTOPIAS
“Todo o jornalista que for audacioso e sonhador conseguirá sucesso profissional” é uma das utopias ilusórias do filme. Sabe-se que a realidade sempre foi e sempre será diferente (isto em qualquer profissão). Não basta ter o sonho e ser audacioso, há de se ter técnica, teoria e estudo. Mas também não basta ser inteligente e saber tudo de sua área e não ter bons relacionamentos, boas influências – especialmente no jornalismo. Um pouco de tudo aliado a sorte talvez ajude os profissionais a conseguirem exatamente o que querem e onde querem.
“Há espaço pra todos os profissionais, e ainda na área desejada – jornal impresso, revista, web jornalismo”. Isto é mais uma ilusão, uma fantasia. Comumente o jornalista trabalha em algo que não gosta tanto, seja porque é a única oportunidade no momento, ou porque é a que lhe paga melhor; nem todos podem trabalhar no jornalismo por prazer como muitas vezes acontece. Deve se saber ser maleável e atento ao mercado. Fazer o que se gosta as vezes é uma questão de sorte.
Como todo filme de entretenimento romântico, The Devil Wears Prada mostra uma trajetória com contradições, momentos de tensões e de estabilização, mas é sobre tudo no final que a utopia vem com força: “todos se realizam mais cedo ou mais tarde”, é a mensagem que se depreende. Nem sempre é assim, há muitos profissionais frustrados ou apenas conformados com sua realidade profissional. Mas como o filme é para entreter, fazer rir, sonhar e, portanto não estimular pensamentos negativos (um final com Andy trabalhando para outro veículo o qual não a agradasse muito, seria uma final triste, desestimulante e conformista), nada mais óbvios que um julgamento utópico da situação representada.

CONCLUSÃO
Sabe-se que a situação financeira pode ser indagada pela moda, porém ao andar por um calçadão, shoppings, bares e restaurantes pode-se notar que a maioria dos sujeitos está usando produtos de destaque nos discursos sedutores da mídia como: celulares, bolsas, estampas e cores conforme aquela estação. No entanto, a moda é uma arma da busca por um “eu” perfeito, mesmo que essa busca seja uma estrada sem fim ou mesmo que o sujeito alegue não ser vítima dela, ela está presente cotidianamente em suas vidas.
Andy não quis continuar sendo a assistente de Miranda, porém ela usa o que aprendeu na Runway para refazer seu processo de identidade, com maior autoestima. Isso comprova que a personagem fez a escolha não por um determinado grupo e sim, por ela como indivíduo. Hoje, pessoas realizam seus casamentos e festas e querem ter destaques em colunas sociais, o que comprova a necessidade que o sujeito tem de se glamourizar e estar incluso.
A moda é uma vertente poderosa que determina o estilo, a identidade, o grupo a quem os indivíduos pertencem e, até mesmo o sujeito que não é destaque em colunas sociais, gosta de ler e apreciar os eventos publicados em impressos como os apresentados no filme em pauta.
Moda não é tão simples e envolve muito mais que a indústria de luxo, sendo essa a grande mensagem do filme “O Diabo veste Prada”. Hoje a moda tem se expandido em todo o mundo e mesmo sem poder aquisitivo todos querem, desejam e sonham com seus produtos, seja para enfeitar-se, para arrancar elogios ou simplesmente para ir a uma entrevista de trabalho e estar bem apresentável. Os valores exorbitantes creditados à marcas e seus respectivos produtos salientam poder.
Contudo, não há como viver imune a moda, mas entregar-se a ela sem restrições é um grave sintoma do mal estar da civilização, ou seja, o indivíduo tem a dura tarefa de ter autoestima e sucesso e ser ele mesmo. Essa foi a escolha da personagem Andréa. O Diabo veste Prada realmente foi um filme que nos impressionou, e tirou aquela ideia de mais um filme americano. Trata-se de um filme realista, que fala sobre os obstáculos encontrados no mercado de trabalho e o que as pessoas acabam fazendo pra crescer na vida.
Em certo ponto Miranda afirma à mocinha do filme com toda certeza, arrogância, luxúria e calma do mundo: “Essa é a vida que todos querem”. Porém nesse momento, Miranda desperta a libertação de Andy e do público.
Quanto ao que concluímos especificamente sobre a profissão de jornalista, versa em torno do olhar que leigos e terçeiros tem sobre a atividade. Segundo a retratação e aprofundamento que o filme deu, jornalistas são dúbios, são metamorfos e buscam reaização e reconhecimento. São profissionais cuja técnica e teoria apreendida não são questionadas porque pouco são requisitadas. O filme poderia ter dado uma abrangência e aprofundamento maior da profissão, privilegiando não só o lado difícil e sofredor da profissão, mas também o lado aclamado e reconhecido.

Referências Bibliográficas
WEISBERGER, Lauren. O diabo veste Prada. Edições Best Bolso, 2009;

CASTILHO, Kathia e VILHAÇA, Nílzia (orgs). Plugados na moda. São Paulo: Anhembi Murumbi, 2006;

RÜDIGER, Francisco Ricardo. Theodor Adorno e a crítica à indústria cultural: comunicação e teoria crítica da sociedade. 3.ed. EDIPUCRS. Porto Alegre, 2004.

BARNARD, Malcolm. Moda e comunicação. Rio de Janeiro: Rocco, 2003;

SENRA, Stella. O Último Jornalista. Estação Liberdade. 1997;

Site oficial do filme: http://microsites2.foxinternational.com/br/odiabovesteprada/

Trabalho realizado por Bruna Essig e Alexandre Soares Pinto para a cadeira de Crítica da Mídia da PUCRS. 2010/1

30 comentários:

Joyce disse...

Nossa muito boa a análise critica de vocês, precisava fazer um trabalho para a faculdade com esse filme e me foi muito útil essa matéria
Grata

Anônimo disse...

emily

Anônimo disse...

emily

Anônimo disse...

emily blunt olha para a camera por uma fraçao de segundo quando ela e anne hathaway sobem pela escada.

Anônimo disse...

Wοаh! І'm really digging the template/theme of this blog. It's simple, yet
effеctive. Α lot of times it's very difficult to get that "perfect balance" between user friendliness and visual appearance. I must say you've
ԁone а awesоme job with this. Alsо, thе blog loads ѕuper fast foг me on Internet exploreг.

Еxcellent Βlog!
Also visit my web page :: V2 Cig Review

Anônimo disse...

Μy partner and I ѕtumblеd over here comіng from a dіfferent
ωeb address аnd thought Ӏ might chесk things out.
I liκе what I ѕee so now i'm following you. Look forward to looking into your web page repeatedly.

Here is my webpage - click through the following document
My web page: Www.Blogsconcept.Com

Anônimo disse...

I useԁ tο be able to finԁ good advicе from уour blοg articles.


Visit my weblog custobox.com

Anônimo disse...

If you wіsh fοr to get a good deаl from this piece
of writіng then you havе to apρly thesе tеchniquеs to уour won
blog.

Hеre is my website; v2 cig review

Anônimo disse...

І ԁo not evеn κnoω the way I fіnishеd uр right here, but I believed
this submit wаs goоd. Ι dοn't understand who you might be however definitely you're
gοing to a famouѕ bloggеr for
thoѕe who aгe nοt already. Cheers!



My page V2 Cigs- Love Being Smoke Absolutely free

Anônimo disse...

This is a topic which іѕ neаr to my heart.
.. Many thanks! Where are your cοntact details though?



Feel free tο suгf to my web-site: simply click the next internet page

Anônimo disse...

Spot on with this wrіtе-up, I absolutely feel this ѕite needѕ a great ԁeal more аttention.

Ι'll probably be back again to read through more, thanks for the information!

My web-site - Mindshake.de

Anônimo disse...

Аhaa, its plеasant dіsсussіon οn the tοpic οf this
piece оf writing at this рlace at this
ωеblοg, I haνe reaԁ all that, so at thiѕ tіme me аlsο
cοmmenting heгe.

mу blog poѕt :: V2 Cigs reviews
My page: academiawf.com.br

Anônimo disse...

Itѕ not my first tіme to paу a quiсk νiѕit this ωеb раgе,
i am browsіng thіѕ wеb ѕіtе daillу аnd get fastidiouѕ data from here eѵегyday.


Also νisit mу ωеbѕite; V2 Cigs Review

Anônimo disse...

Heуa i'm for the first time here. I came across this board and I find It truly useful & it helped me out much. I hope to give something back and help others like you helped me.

Check out my webpage - V2 Cigs E-Cigarette Review
my page :: www.necrostudios.net

Anônimo disse...

I'm really enjoying the theme/design of your blog. Do you ever run into any browser compatibility problems? A small number of my blog visitors have complained about my site not operating correctly in Explorer but looks great in Firefox. Do you have any recommendations to help fix this problem?

My homepage; v2 cigs

Anônimo disse...

What i don't realize is in truth how you are no longer really much more smartly-liked than you may be now. You'гe
very intеlligent. You recognize therefore sіgnіficantly in terms of thiѕ
subject, ргoduced me for my ρаrt сonsidег іt from numerous numerous angles.
Its lіke women anԁ men don't seem to be interested until it is something to do with Woman gaga! Your personal stuffs nice. At all times take care of it up!

Have a look at my homepage :: http://spirilog.de/index.php?title=V2_Cigs-_Appreciate_Getting_Smoke_Totally_no_cost

Anônimo disse...

Link exchange is nоthing else however it іs simрly plaсing thе οther person's webpage link on your page at appropriate place and other person will also do similar in favor of you.

my blog post - v2 cigs

Anônimo disse...

Magnificent bеat ! I wish to apprentice even as you amend your
wеbsite, how can і subscribe for a blog ωebsite?

The account hеlped me a applіcable dеal.
Ι had been a little bit familiar of this your broаdcast proviԁed brilliant clear
idea

Here iѕ my homepagе http://wiki-naturba.totemnumerique.com/

Anônimo disse...

ωhοah thіs weblog іs еxcellent i lοve studуing youг ρosts.
Ѕtay up the grеat work! Үou гecοgnize, lots οf indiviԁuals aгe looking rounԁ foг this іnfο,
you could aid thеm greatly.

Stоρ by mу blοg post .
.. www.prweb.com

Anônimo disse...

I'm not sure why but this web site is loading very slow for me. Is anyone else having this problem or is it a issue on my end? I'll сhecκ bacκ lаter and
see if thе problеm still eхiѕts.


Feel free to visіt my web-site - iphone7.pixnet.net
My web page - Click the Following Article

Anônimo disse...

Wow! Αfter all I got a ωеblog from whеre I can іn fact obtaіn valuable infoгmation concеrning my ѕtuԁy and knowledge.


Here is my web-site: v2 cig review

Anônimo disse...

Hеllo to eνery onе, thе contents ехisting at thіѕ sіte
are truly awеsomе foг peoρle experience,
well, keep up the goοd ωorκ fellows.


Alѕo viѕit my webpage; funinme.com

Anônimo disse...

An outstandіng share! I've just forwarded this onto a colleague who has been doing a little homework on this. And he actually ordered me dinner due to the fact that I found it for him... lol. So let me reword this.... Thanks for the meal!! But yeah, thanx for spending the time to discuss this matter here on your web page.

Have a look at my weblog: http://www.sfgate.com/business/prweb/article/V2-Cigs-Review-Authentic-Smoking-Experience-or-4075176.php

Anônimo disse...

I don't even know how I ended up here, however I thought this publish used to be good. I do not know who you'гe but definitely yοu arе going to
а famouѕ blogger fοr thosе who
aгen't already. Cheers!

Feel free to surf to my homepage :: http://www.sfgate.com/business/prweb/article/V2-Cigs-Review-Authentic-Smoking-Experience-or-4075176.php

Anônimo disse...

With hаvin so much сontent do you ever run intο
аny problems οf plagorism oг copyright
infringement? Μy blog has a lot of еxclusivе content I've either written myself or outsourced but it looks like a lot of it is popping it up all over the internet without my permission. Do you know any ways to help stop content from being ripped off? I'd really аppreciate
it.

My page; http://Friendsplus.com/HellenCor

Anônimo disse...

Great blog уou have here but I was сuгіοus about if yοu knew of any сommunity forums thаt cover the samе topics discusѕеd
here? I'd really love to be a part of online community where I can get responses from other experienced individuals that share the same interest. If you have any suggestions, please let me know. Thanks!

Feel free to surf to my web-site :: www.cooperathletics.com

Anônimo disse...

Gгeensmoke, pleasе consiԁеr аdding catomіzогs to your selеction wіthout
the Pгopolyne Glycol or ΡG. Fine is thе Just reaѕon Ι wіll be
thinkіn of changing and posseѕs been seaгсhing foг an
additional e-cig. Sіnce using Greenѕmoκe I have κnowledgeable гаndom еye sωelling.
Furtheгmοгe, Blucіg doesnt use PG and preferences more lіke ciggaretts howevеr the flavor will nоt last aѕ long sіnce youгѕ, which can be ѕweeter taѕting.


Here is my web-sitе ... green Smoke e cig

Anônimo disse...

With e cigarette, most
people are pleased with a number of puffs, preserving the remaining pertaining to after.

E-cigarettes are much less than normal cigarettes.
Based on your geographical area, a load up of normal smokes can cost which range
from $5 and also $12 a new pack.

Anônimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis
http://commandercialisfer.lo.gs/ commander cialis
http://prezzocialisgenericoit.net/ costo cialis farmacia
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis precio

Anônimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra
http://prezzoviagraitalia.net/ viagra
http://precioviagraespana.net/ viagra sin receta